quarta-feira, 19 de abril de 2017

Pedagogia Progressista e outras coisas...



Sabe o que eu penso sobre Pedagogia Progressista e Paradigma Emergente? Um truque de mestre, para que dentro de sala de aula os professores não tenham mais autoridade. Pensa comigo. Com o ensino “Tradicional”, os seus pais e avós batiam em professores naquela época? “Ah, mas as crianças respeitavam porque tinham medo”. Medo de que? De ficar de castigo? Francamente. Antigamente existiam boas maneiras, cidadãos que realmente queriam ser alguém na sociedade para transforma-la em algo brilhante. Já com essas novas práticas educacionais, onde iguala o professor ao aluno, o único resultado seria este que estamos presenciando. Alunos batendo em professor, alunos gritando em sala, alunos “endiabrados”. “AH, mas ele vem assim de casa”. É, eu bem sei, mas se os alunos hoje saem de casa sabendo que vão chegar na escola para continuar a sua guerra pessoal porque o professor é apenas mais um, igual a ele, não acho que sairão da escola como transformadores, e sim como repetidores: repetindo a violência que veem lá fora. Então, estamos ai aplaudindo a “revolução” Freiriana, que jura ter sido criada com boas ações, onde o diálogo seria o maior ensino... Aham, sei. Hoje vemos meninos e meninas preguiçosos, sem sonhos porque aprenderam a não sonhar mais. Meninos e meninas que se automutilam, que fraquejam por qualquer coisa, porque estão aprendendo a serem vítimas do seu meio. Isso é ser uma presa fácil. Exatamente o que eles querem. Assim, os valores e a educação continuarão sendo invertidos, para nos iludir de forma que pensemos ser bom o falso diálogo, onde na verdade as faculdades estão formando professores com tendências revolucionárias, para ensinar os futuros militantes a alimentar o poderoso governo, que é o único beneficiário desse teatro todo. Pense nisso!